Mega culto lota Arena em Curitiba. Foram 43 mil pessoas

Segundo a organização, evento já é considerado o maior culto evangélico do Paraná. Arquibancadas e gramado foram ocupados por fiéis de diferentes denominações

Milhares de fiéis lotaram a Arena da Baixada na noite deste sábado (29) para participar do mega culto organizado por igrejas evangélicas de toda Curitiba e região metropolitana. O evento faz parte da chamada Semana do Avivamento, em que igrejas de toda a cidade se reúnem para a realização de cultos em diversos espaços, além da realização de outras atividades sociais.

De acordo com a organização, todos os 50 mil ingressos foram vendidos ao longo da semana — o que colocaria o culto como o maior público do estádio, superando as 45.207 pessoas que assistiram ao UFC 198 no ano passado. Contudo, até 19h50, o cálculo oficial era de que 43 mil fiéis vieram à Arena. Ainda assim, com esse número, o culto já é considerado o maior evento evangélico do Paraná. A Marcha para Jesus, que costuma ultrapassar a marca dos 150 mil participantes, é considerado um movimento.

Mega culto lota Arena e quase supera público do UFC. Foram 43 mil pessoas

Foto: Maicon J. Gomes

Poucos lugares vazios
Ainda assim, dentro do estádio, o que se viu foram poucos lugares vazios. As arquibancadas estavam lotadas e até mesmo o gramado foi ocupado por membros de diferentes denominações, que se acotovelavam para se aproximar do palco montado no centro do campo e onde pastores e grupos evangélicos comandavam o show. Os portões da Arena foram abertos por volta das 14h e, ao longo da tarde, vários grupos de diferentes igrejas se apresentaram. No entanto, foi somente a partir das 18h que o grande culto prometido teve início.

E as dimensões colossais do evento impressionaram muitos dos fiéis. O estudante Eduardo Schultz, de 17 anos, veio acompanhado do irmão e cunhada para participar do culto e diz ter se emocionado com o que encontrou no estádio. “Nunca tinha visto algo assim. É a minha primeira vez aqui, então vir e ver algo desse tamanho e com essa animação é inexplicável. É diferente”, afirma. Já para a pedagoga Marinalva Starerraud, de 42 anos, o diferencial de um culto dessas proporções é o contato com outras pessoas. “Unir pessoas de todas as idades e diferentes igrejas é algo maravilhoso”, diz.

Seu marido, o corretor Geraldo Starerraud, de 52 anos, conta que nunca viu a Arena tão cheia quanto nesta noite. “Estive aqui durante a inauguração da grama sintética [em fevereiro de 2016] e a quantidade de pessoas era bem menor. Dessa vez, até o campo está lotado”, aponta. Segundo ele, o público total do evento foi uma surpresa, já que acreditava que muita gente iria desistir de vir mesmo com o ingresso comprado. “Só na minha família, cinco pessoas deixaram de vir, então achei que ia estar mais vazio. Foi uma surpresa o que vi. Imagine só se viesse todo mundo então”.

De acordo com o pastor Lucas Zub Dutra, um dos organizadores do culto, além da integração religiosa, a Semana do Avivamento tem o intuito de promover ações sociais, seja com arrecadando doações para a Provopar e a Fundação de Ação Social (FAS) da prefeitura, além de disponibilizar locais de cadastro para que os fiéis façam o cadastro para a doação de órgãos e de medula óssea.

Pelo Brasil
Mesmo sem tomar partido, o culto também ganhou conotações políticas logo em seu início. Por volta das 18h30, um dos pastores que comandava a festa pediu para que os fiéis levantassem um folheto com as cores da bandeira do Brasil enquanto era feita uma “oração pelo país”. Enquanto isso, uma bandeira sobreposta por um enorme “Jesus” era mostrado no telão.

Em seu discurso, o pastor disse que era preciso orar por justiça para que “Jesus tocasse no coração dos governantes” e “e brasileiro voltar a andar de cabeça em pé”.

Trânsito tranquilo
Apesar da grande quantidade de pessoas, o trânsito teve poucas alterações. O evento evangélico coincidiu com a Vinada Cultural e, mesmo assim, quem precisou vir até a região do Água Verde não encontrou complicações no tráfego. A Rua Buenos Aires, entre a Praça Afonso Botelho e a Arena da Baixada estava fechada, assim como um pequeno trecho da Rua Engenheiro Rebouças. Contudo, não havia lentidão no horário próximo ao início do culto.

Fonte: http://www.tribunapr.com.br/noticias/mega-culto-lota-arena-e-quase-supera-publico-do-ufc-foram-43-mil-pessoas/

Livro, palestra e música na Fundação Cultural de Blumenau, SC

Pastor Egon Griesang lançou seu livro “Amor que Transforma – 5 Atitudes para a Vida” no dia 05/07

No dia 5 de julho, a Fundação Cultural de Blumenau, SC, sediou o lançamento do livro “Amor que Transforma – 5 Atitudes para a Vida”, do pastor e palestrante Egon Griesang. A obra foi concebida em 2014 quando o autor participou e venceu um concurso, sendo convidado a palestrar na 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Diante desta conquista, surgiram os convites para lançar a palestra em formato de livro.
.
“Em nossa vida corrida e cheia de tensões, acabamos perdendo aquilo que é o mais importante. A consequência disto é que as pessoas consideram-se cada vez mais vitoriosas e cheias de conquistas enquanto estão cada vez mais sozinhas, com um sentimento de vazio e solidão. Estamos cercados de pessoas, no entanto estamos cada vez mais sozinhos. O que podemos fazer para mudar isso? Como podemos, de fato, transformar nossos relacionamentos e sermos felizes com as histórias que construímos com as pessoas que amamos?” ressalta o pastor e palestrante Egon Griesang.
.
Aproveitando o lançamento do livro, a Congregação Evangélica Luterana Bom Pastor promoveu uma campanha de arrecadação de alimentos que serão doados à Cruz Azul de Blumenau e a meta é alcançar uma tonelada de mantimentos.
.
A noite de lançamento contou ainda com a apresentação do Coral Bom Pastor e da Banda Mensageiros, além da palestra que deu origem ao livro. Após a palestra, foi servido um coquetel aos presentes.

Celebracoes dos 500 Anos da Reforma em Curitiba

15-Dec-2016

Em reunião nesta quarta-feira, 14, lideranças de diversas denominações cristãs de Curitiba começaram a debater a Organização das Comemorações alusivas aos 500 anos da Reforma Protestante na cidade. O objetivo é a definição de uma agenda geral, com grandes eventos de organização comum, e uma pauta de celebrações em todas as igrejas da cidade.

 Estiveram presentes à reunião, representando a IELB, o Pastor Conselheiro Distrital Jonas Lindner, o Líder Leigo Cyrineo Dickel Junior e o Secretário do Distrito, Ives Möller; bem como o Pastor Sinodal da IECLB, Odair Braun.

 A programação deve culminar com 5 grandes eventos na ExpoRenault no Parque Barigui, nos dias 27 a 31 de outubro, cada um para um público de aproximadamente 4,5 mil pessoas. No primeiro dia uma celebração para os jovens; e depois 4 noites com um grande Espetáculo Musical, contando a história da Reforma através de um Coral de 500 vozes e grande orquestra. As apresentações serão antecedidas por uma celebração, cada dia organizada por uma denominação diferente. O evento contará ainda com uma amostra de livrarias e editoras, exposição de parte do acervo da Sociedade Bíblica do Brasil, além de oficinas e mini-apresentações para estudantes de escolas públicas. A programação Luterana será no sábado, dia 28 – coloque desde já em sua agenda.

 

Serão 4 grandes espetáculos musicais na ExpoRenault, no Parque Barigui, com coral de 500 vozes e grande orquestra. O dia reservado para os Luteranos é 28 de outubro.

 Também estão na pauta a SEMANA CULTURAL DE CURITIBA, que terá como tema a Reforma Protestante, se inicia no dia 15 de maio, e culmina com a MARCHA PARA JESUS no sábado dia 20. Durante a semana haverão inúmeras apresentações musicais e teatrais; inclusive um Concerto sobre a Reforma no dia 19, organizado pela IECLB, com local a definir; conduzindo até a Marcha, que deve levar mais de 150 mil cristãos às ruas da cidade.

 A Comissão Interdenominacional estuda ainda uma data e local para realizar um grande evento especificamente destinado aos jovens, possivelmente em algum estádio da capital paranaense. Negociam também a re-exibição do filme “Lutero” em redes de cinemas da cidade.

A equipe está desenvolvendo um website promocional para centralização das informações, e deverá ser divulgado em breve.

Correios Lançará Selo Comemorativo dos 500 Anos da Reforma

6-Feb-2017

Os Correios do Brasil numa emissão conjunta com os Correios da Alemanha lançará Selo e Carimbo comemorativo dos 500 Anos da Reforma Luterana.

Nos 2 países o selo traz o retrato de Lutero além dos dizeres “NO PRINCÍPIO ERA A PALAVRA”, respectivamente em português e em alemão e depois “500 ANOS DA REFORMA BRASIL 2017”.

Os carimbos por suas vezes são diferentes, mas ambos estampam a Rosa de Lutero, tradicional símbolo utilizado por Lutero para autenticar suas cartas e obras. A versão brasileira traz o texto “500 ANOS DA REFORMA LUTERANA”, Correios, Brasília-DF, 13.04.2017, 1º Dia de Circulação.

Conforme previsão da página de filatelia do Site dos Correios, e como informado nos carimbos, o lançamento está previsto para o dia 13 de abril em ambos os países, e no Brasil acontecerá nas cidades de Brasília/DF, Porto Alegre/RS, Cuiabá/MT, Curitiba/PR e Marechal Cândido Rondon/PR.

A imagem que ilustra a arte do Edital é do pintor alemão Ernst Wilhelm Hildebrand, que retrata Martinho Lutero diante do imperador na Dieta de Worms, a bela pintura na íntegra pode ser visualizada neste link.

Reforma Protestante agora é Lei no Paraná

5-Feb-2017  | Ives Möller

Agora é Lei!

Promulgada no último dia 08 de fevereiro a Lei Estadual 18.954, que institui o 31 de Outubro como “Dia da Reforma Protestante” no calendário Paranaense.

O projeto foi apresentado pelo Deputado Estadual Pastor Gilson de Souza, a partir de compromisso assumido quando recebeu Lideranças Luteranas de Curitiba (veja foto abaixo).

 A Lei agora promulgada é um marco importante para o Estado do Paraná que sedia uma série de eventos alusivos às comemorações pelos 500 anos da Reforma Protestante; e também para o País, que tem seu calendário repleto de comemorações essencialmente católicas, no que pese a comunidade protestante já representar a maioria dos cidadãos brasileiros de acordo com o último senso.

 O Vereador de Curitiba Thiago Ferro se comprometeu também com a Comissão Organizadora das festividades dos 500 Anos da Reforma na Capital Paranaense a apresentar projeto semelhante na Câmara Municipal.

 Curitiba será palco de inúmeros eventos alusivos a este 5º Centenário do ato na Igreja do Castelo de Wittemberg. Em maio acontece a Semana Cultural de Curitiba, série de eventos culturais simultâneos em diversos teatros da cidade, tendo como mote, e que culmina com a MARCHA PARA JESUS, no sábado, dia 20 de maio, e que também será inspirada na Reforma, e espera-se leve mais de 150 mil pessoas para as ruas da Capital.

A partir do dia 10 de junho a capital também receberá a Exposição do Museu da Bíblia, mantido pela Sociedade Bíblica do Brasil (SBB). A exposição acontecerá nas dependências da FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná, e vai até o dia 19. Paralelamente no local acontecerão palestras e apresentações culturais.

 Já em outubro, mês da Reforma, a cidade sedia o evento intitulado “Celebração dos 500 Anos da Reforma“, série de 5 noites de evento, dos dias 27 até 31, com espaços celebrativos organizados pelas diversas denominações participantes, seguidas por um espetáculo músico-teatral que contará a história da Reforma através de um Coral com 500 vozes e grande orquestra.

O espetáculo musical se repetirá todas as noites, já a celebração específica dos Luteranos acontecerá no sábado, dia 28. Esta série está marcada na Expo Renault, Parque Barigui, cartão postal da cidade, sendo esperados cerca de 4.500 participantes em cada noite.

Miriam Leitão e a Reforma Protestante

POR MÍRIAM LEITÃO

Ancelmo Gois me pediu para escrever um texto sobre a Reforma Protestante e o publicou na coluna do primeiro dia do ano. O momento em que Martinho Lutero rompeu com a Igreja Católica e iniciou a Reforma está completando 500 anos em 2017. É, sobretudo, um fato laico porque provocou profudas transformações na sociedade da época. Abaixo o artigo:

Comentários de Miriam Leitão sobre a Reforma Protestante

“Como em toda revolução, o ato inicial da Reforma Protestante foi feito sem que o padre e professor Martinho Lutero tivesse a noção da dimensão das transformações das quais aquele momento seria o marco inaugural. Ele queria o debate. E, por isso, afixou suas 95 teses na porta da Igreja de Wittenberg, num texto em que convidava quem não pudesse estar presente a apresentar suas ideias por escrito. A Igreja Católica passara a conceder o perdão mediante contribuições financeiras. Lutero considerava que isso era venda do perdão, o qual só poderia ser concedido por Deus diante do arrependimento e da fé. Eram curtas, as teses de Lutero, mas profundas. Como a de número 76: ‘As indulgências papais não podem anular sequer o menor dos pecados veniais.’ Foi o começo do fim de uma era.

Em 2017, o ato de Lutero faz 500 anos. A sucessão dos eventos foi avassaladora. Ele contestava o poder do Papa quando o mundo queria discutir a separação entre a Igreja e o Estado, e os países exigiam autonomia nacional. Lutero combatia a ideia de que não só os sacerdotes podiam interpretar o texto sagrado e, por isso, traduziu a Bíblia para disseminá-la. Com a invenção do tipo móvel por Johannes Gutenberg, estava aberta a possibilidade de impressão em grande escala. Para que as ideias avançassem pela Europa, era preciso que houvesse mais leitores, e isso alavancou os movimentos de alfabetização dos fiéis. O mundo foi mudando. A própria Igreja Católica passou por mudanças a partir dali. Desafiada, ela encontrou o caminho de se fortalecer na Contrarreforma.

Apesar de ter nascido de uma discussão teológica e doutrinária, a Reforma é, sobretudo, uma efeméride laica porque representou valores universais que marcaram o fim da Idade Média e prenunciaram o Iluminismo.

Com meu pai, conversava ainda menina sobre a Reforma, mas, apesar de ser um tempo de maior distância entre as religiões, ele não a apresentava como uma ideologia anticatólica, mas como um momento de avanço do mundo das ideias. Afinal, para os protestantes, Lutero não é santo. Foi apenas um homem que contestou o poder vigente e, naquele momento, ajudou a abrir as janelas para uma nova forma de pensar.

Por ter tido educação protestante, nunca achei que 31 de outubro é o dia das bruxas. Sempre foi o dia em que Lutero, em 1517, começou uma revolução”.

Lutero e o Brasil

Neste ano está sendo comemorado meio milênio da Reforma Protestante. Foi em 31 de outubro de 1517 que Martinho Lutero fixou suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg, nordeste da atual Alemanha, e colocou em marcha […]

Lutero e o Brasil

via Celso Ming – Estadão

Neste ano está sendo comemorado meio milênio da Reforma Protestante. Foi em 31 de outubro de 1517 que Martinho Lutero fixou suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg, nordeste da atual Alemanha, e colocou em marcha o movimento que se tornou muito maior do que ele imaginaria.

Como o Brasil nasceu e foi criado simultaneamente com o desenvolvimento do protestantismo, cabe perguntar qual terá sido a influência da Reforma no desenvolvimento do País, de suas instituições e da economia.

É um equívoco afirmar que as consequências foram irrelevantes. Mas é preciso focar o tema de maneira correta. Enquanto os Estados Unidos se formaram no espírito da Reforma Protestante, o Brasil – e com ele toda a América Latina – formou-se no espírito da Contra-Reforma. As consequências da Reforma sobre a formação do Brasil têm portanto de ser procuradas pelo avesso.

A Companhia de Jesus, por exemplo, tornou-se a principal ordem religiosa que se encarregou de disseminar as conclusões do Concílio de Trento (1545 a 1563), que fundamentou a reação da Igreja. E foi com esse espírito que os jesuítas trazidos ao Brasil por Martim Afonso de Sousa, em 1531, e chefiados por Manoel da Nóbrega se atiraram à catequização dos indígenas. Desde o início, conseguiram eles algum sucesso na substituição das músicas e danças praticadas pelos índios por cantorias e procissões trazidas da Europa ou reinventadas aqui por Anchieta e Aspicuelta. Mas praticamente não obtiveram nenhum sucesso nas tentativas de erradicar duas práticas dos indígenas que os horrorizaram: a antropofagia e a naturalidade com que praticavam o sexo gay, o pecado nefando.

E foi essa última característica que levou os portugueses a chamar os índios brasileiros de bugres. O termo provém da designação dada à heresia que prosperou no século 13, na região depois conhecida como Bulgária. Além de professar dogmas inaceitáveis pela teologia católica, a seita, conhecida como heresia búlgara, defendia a prática homossexual – já eram moderninhos. E foi assim que os portugueses passaram a chamar os índios de “búlgaros”, termo que, por corruptela, derivou para “bugres”, que encontra paralelo também no francês “bougres”. Tachá-los de hereges serviu de justificativa para preá-los e escravizá-los. (Sobre o assunto bugre, ler Gilberto Freyre, em Casa Grande e Senzala, cap 2.)

A Contra-Reforma produziu alguma reforma na Igreja, como observa Jacques Barzun, mas contribuiu para enrijecer seus controles. Foi a responsável, também, pela disseminação da Inquisição no Brasil nos séculos 16 e 17 que prevaleceu sobretudo na Bahia e em Pernambuco, mais com objetivo de reprimir “cristãos novos” (judeus) do que para combater os protestantes, raros no Brasil.

A Reforma eliminou a suntuosidade das igrejas e do culto e aboliu as imagens dos santos. A Igreja respondeu com o oposto e ajudou a propagar o barroco. O barroco mineiro, nas suas três principais manifestações (arquitetura, escultura e música), foi um dos mais importantes movimentos culturais propiciados pela Contra-Reforma. Aleijadinho e a exuberante composição de música sacra em Minas são consequência disso. E aí, paradoxalmente, um dos compositores europeus que mais influenciaram a música brasileira, tanto a barroca quanto certos gêneros posteriores, foi Johann Sebastian Bach, um luterano. Não foram apenas as bachianas de Villa-Lobos que saíram daí, mas também o chorinho.

O capitalismo tardio do Brasil também deve ser visto pelo seu avesso, na medida em que nada tem com protestantismo. Deve-se ao sociólogo alemão Max Weber o entendimento de que o espírito capitalista no Ocidente está ligado à ética do trabalho e da criação de riquezas, professada pelos protestantes, especialmente pelos calvinistas.

A pouca influência protestante no Brasil impediu durante muito tempo o florescimento do empreendedorismo. Chegou por aqui cerca de cem anos depois que os empresários ingleses e americanos produziram nas terras deles a Revolução Industrial.

O primeiro grande empresário brasileiro foi Irineu Evangelista de Souza, o Visconde de Mauá (1813-1889). Só depois, com os imigrantes e seus descendentes, passaram a proliferar os Matarazzo, os Martinelli, os Calfat, os Feffer. Foi quando os sinais de riqueza passaram a ser associados mais à capacidade transformadora do que à exploração do próximo.

Assim, se a gênese do capitalismo brasileiro nada tem a ver com a ética protestante propriamente dita, seu retardamento, no entanto, parece diretamente ligado à influência hegemônica exercida pela Contra-Reforma.

 

Boneco de Lutero é Sensação na Alemanha

Lançados pela Playmobil, bonequinhos de Martinho Lutero se esgotaram em 72 horas na Alemanha.

Nada de videogames, tablets, jogos ou outras modernidades. O brinquedo vendido mais rapidamente da História é alemão, religioso e nasceu no século XV —o teólogo Martinho Lutero, um dos fundadores do protestantismo. A empresa alemã Playmobil lançou uma representação de Lutero e, quase 500 anos depois de sua morte, o pastor conseguiu um milagre: todo o estoque foi vendido em 72 horas. O sucesso “misterioso” pegou de surpresa a companhia.

— É a venda mais rápida que já tivemos — afirmou à agência estatal “Deutsche Welle” a porta-voz da Playmobil, Anna Ermann.

Vestido a caráter, o tradicional bonequinho de plástico — sucesso no Brasil nos anos 1980 — carrega uma bíblia escrita em alemão e uma grande pena. Todas as 34 mil peças do pequeno Lutero foram vendidas pela empresa da Baviera. E um novo lote já foi encomendado à fábrica, em Malta.

Playmobil Lutero

Vestido a caráter, o tradicional bonequinho de plástico carrega uma bíblia escrita em alemão e uma grande pena.

Segundo o Centro de Turismo de Nuremberg, o brinquedo serve como um “embaixador miniatura da reforma protestante”. Ao menos 95% das peças teriam sido adquiridas na própria Alemanha, mas, segundo o centro, o interesse já chegou ao exterior, com inquisições de fãs espanhóis, italianos e suecos. Pelo Facebook, fãs do pastor já lançaram uma campanha pedindo que ele ganhe, ainda, uma miniatura do castelo de Wartburg. A Playmobil, porém, descartou a hipótese.

O pequeno Lutero da Playmobil é parte das celebrações do 500º aniversário de “95 teses sobre o poder e a eficácia da indulgência”, considerado o pílar da reforma protestante. Na obra, o pastor critica as práticas da Igreja Católica — o que provocou sua excomunhão em 1521.

— A educação pesou. Existe muito interesse em olhar para trás, para nossa História, pais querendo ter certeza que os filhos cresçam sabendo quem ele era e por que teve tanto impacto na maneira como a sociedade europeia evoluiu — avaliou Astid Mühlmann, diretora do departamento do governo alemão responsável pelas celebrações.

Pelo Facebook, fãs do pastor já lançaram uma campanha pedindo que ele ganhe, ainda, uma miniatura do castelo de Wartburg. A Playmobil, porém, descartou a hipótese.

Celebração

O pequeno Lutero da Playmobil é parte das celebrações do 500º aniversário de “95 teses sobre o poder e a eficácia da indulgência”, considerado o pílar da reforma protestante. Na obra, o pastor critica as práticas da Igreja Católica — o que provocou sua excomunhão em 1521.

“A educação pesou. Existe muito interesse em olhar para trás, para nossa História, pais querendo ter certeza que os filhos cresçam sabendo quem ele era e por que teve tanto impacto na maneira como a sociedade europeia evoluiu”, avaliou Astid Mühlmann, diretora do departamento do governo alemão responsável pelas celebrações.

Lutero, pastor e professor de Teologia, viveu de 1483 a 1546 e tornou-se o grande mentor da reforma protestante na Alemanha. Ele desafiou a autoridade do Papa católico Leão X e traduziu a bíblia do latim pela primeira vez, num movimento que inspirou outros países.

Via Jornal O Globo

logo