Estação da Gratidão

Como você tem testemunhado o amor de Deus em sua vida? Será que as pessoas ao seu redor sabem de tudo o que o Eterno graciosamente lhe tem concedido em Cristo Jesus? É muito comum as pessoas dizerem que são gratas a Deus, mas via de regra não demonstram isso com regularidade no cotidiano, tanto que as orações feitas pela maioria dos crentes possuem mais pedidos do que ações de graças.
Sabemos que a Palavra nos diz em Filipenses 4.6

“…em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido”. (NTLH)

No entanto, é bom observar que o que Paulo está afirmando é que toda a oração de súplica deve ocorrer com o coração agradecido. Observe também que no Salmo 40.3 o salmista afirma que Deus

“pôs nos lábios um
novo cântico, um hino de louvor ao nosso Deus; muitos verão essas coisas, temerão e confiarão no Senhor” – (Salmos 40.3).

Para o salmista este hino de louvor a Deus veio após ele afirmar no versículo 1 que ele esperou com paciência no Senhor, enquanto ele se encontrava num poço de perdição e num pântano de lama.

Nossa sociedade anda sôfrega e angustiada a procura de soluções rápidas e imediatistas para seus dilemas. Vive atrás de mais tempo para viver enquanto se enfatua de trabalho, busca mais prazeres enquanto se aprisiona, a cada dia, em toda a sorte de vícios e canseiras que não tem fim.
Entre muitos cristãos não é diferente, pelo contrário, em nosso país por exemplo, temos sido espectadores de uma religiosidade evangélica extremamente hedonista e
egocêntrica. Crentes que determinam, que declaram e que profetizam. Gente que não admite o fato de que na vida muitas vezes passamos pelos poços de perdição e que muitas vezes nos achamos em pântanos de lama.

Há muitos que se esquecem de que Deus nem sempre nos livra dos perigos e desertos, mas ele nos livra em meio aos perigos e enquanto estamos nos desertos da vida. Passar por estes lugares é um tempo de desconforto, mas pode tornar-se um
tempo de aprendizado e autoconsciência. Jesus, antes de iniciar seu ministério terreno, foi para o deserto onde foi tentado (Mt.4). Nosso Senhor não fixou os olhos no deserto mas além dele e ao passar por ele saiu mais preparado e certo da missão para a qual o Pai havia lhe chamado a realizar.

Creio que podemos comparar nossa vida a uma viagem de trem. Por onde passamos enquanto viajamos somos levados a um lugar ou trazido de outro. Não precisamos parar em todos os lugares, mas às vezes somos obrigados a fazê-lo. Muitas vezes paramos em uma mesma estação que pode nos levar para vários destinos, mas por vezes jamais iremos a algumas estações que somente avistamos de longe.

Há no entanto, uma estação pela qual é necessário que passemos todos os dias e pela qual não chegaremos a nenhum lugar se não formos nela. É a estação da gratidão. João
Calvino afirmou certa feita que “seja qual for a maneira em que Deus se agrada em socorrer-nos, ele não exige nada mais de nós senão que sejamos agradecidos pelo socorro e o guardemos na memória”.

Fonte: http://reformai.com/estacao-da-gratidao/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

logo